BAIXO Centro Cultural encerra suas atividades com festa n’O Mercado

FIMDOBAIXO-Capa

Em dezembro de 2014, no baixo centro de BH, um espaço cultural foi inaugurado: o BAIXO. Criada com a intenção de ser uma opção alternativa de entretenimento noturno, a casa se consolidou nos últimos 2 anos recebendo bandas autorais e festivais de música, mostras de artes visuais, feiras de publicações independentes, oficinas e performances artísticas. Agora, se prepara para encerrar suas atividades com uma festa de despedida n’O Mercado. No dia 7 de abril, a partir das 22h, rolam shows das bandas Kill Moves, Pequena Morte e do bloco Toca Raul Agremiação Psicodélica, além dos DJs Palomita e Dedé Lover. Na pista 2, tem o encontro da Alta Fidelidade com o DeSkaReggae Sound System e no corredor, o público pode curtir os DJs Vhinny e Yuga no Forrozim, festa que movimentava o Baixo às quartas-feiras.

Fundado por seis amigos envolvidos com produção cultural, o Baixo marcou época no local onde antes funcionou o Nelson Bordello, outro espaço importante para a cena cultural da cidade. “A gente sempre quis contribuir com a divulgação dos artistas locais. Nosso objetivo era potencializar o alcance dos trabalhos, abrindo espaço para quem está começando, além de valorizar a diversidade e criar diálogo constante com o público”, afirma Mariana Campos, sócia do Baixo Centro Cultural. Esse, aliás, se tornou o grande desafio da casa de shows: ser uma base para a cena autoral mineira e conseguir atrair público suficiente para fechar as contas no fim do mês.

Outra característica que formou a identidade do BAIXO é a relação com as ruas, especialmente do baixo centro. O espaço fica na rua Aarão Reis, ao lado do Viaduto Santa Tereza, local que se tornou referência para manifestações culturais e políticas, sendo ocupado por pessoas que vêm dos mais diversos bairros da capital e região metropolitana. A rua é berço de movimentos importantes como o Duelo de MCs, além de ser a sede do grupo de teatro Espanca!. A vontade de interagir com movimentos sociais e culturais sempre guiou as ações do grupo, que recebeu debates e diversas reuniões das Muitas – Cidade que queremos. A difusão de conhecimento também era um objetivo: o Baixo já promoveu aulas de forró, oficinas de fotografia analógica, cursos de produção musical, de discotecagem em vinil, entre outros.

FIMDOBAIXO-ilustr

A atuação do BAIXO na cena cultural de BH também pode ser traduzida em números: desde a inauguração foram realizados 148 shows de 111 bandas diferentes. “Ao todo, foram 290 festas, quase 30% delas gratuitas, 7 exposições de artes plásticas, 4 graffitis internos e uma fachada feita pelos artistas Priscila Amoni e Comum”, enumera Rafael Souza, sócio do BAIXO.

Entre os projetos próprios e realizados com parceiros estão a Feira do Migrante, a Semana do Pixo, o Campeonato de Basquete de Rua do Baixo Centro, festivais como Transborda, S.E.N.S.A.C.I.O.N.A.L. e Pequenas Sessões. O bar ainda ficou conhecido por receber festas alternativas com todo tipo de música: rock, hip hop, pop, black music, mpb, eletrônica, forró. O seu cardápio de drinks e comidas também fazia sucesso, com opções carnívoras e vegetarianas.

Os famosos drinks, aliás, farão parte do cardápio da festa de despedida que, inesperadamente, não será realizada no Baixo e sim n’O Mercado. O local foi escolhido por ter espaço amplo e capacidade de receber um público maior. Afinal, a ideia é reunir os diversos atores que ajudaram a construir essa história: artistas, bandas, produtores, amigos, público e outros colaboradores. O evento vai contar com expositores da feira da Benfeitoria –  casa que também ocupa o baixo centro de BH e sempre foi parceira do Baixo – e apresenta produtos de design, gastronomia, moda, papelaria, acessórios, desenhos e fotografias. As atrações musicais completam o tom criativo indispensável para se celebrar a trajetória desse espaço que, com certeza, vai ficar guardado na memória de Belo Horizonte.

Hasta La Vista, Baixo!

Data: 07 de abril

Horário: 22h

Local: O Mercado – Avenida Olegário Maciel, 742, Centro

Ingressos: De R$ 15  a R$ 30 AQUI

Informações: www.facebook.com/baixocentrocultural

Gostou? Espalhe!

Be first to comment